• florestaaljezur

Florestas naturais em primeiro lugar

Os dois desafios mais prementes que a sociedade enfrenta hoje são as mudanças climáticas e o declínio da biodiversidade – e a saúde de nossas florestas é fundamental para lidar com ambos.


Estudos mostram que permitir que as florestas naturais existentes atinjam todo o seu potencial ecológico – um processo chamado 'próflorestamento” – é uma maneira muito mais eficaz, imediata e de menor custo de remover e armazenar gases de efeito estufa a longo prazo do que plantar árvores”, afirma Raquel Filgueiras, responsável pela Rewilding Europe. “Apesar da atual fixação pelo plantio de árvores, não podemos resolver nossas crises climáticas ou de biodiversidade sem priorizar a regeneração das florestas naturais. A interrupção do desmatamento é um bom começo, mas precisamos ir muito mais longe.”


Como ecossistemas vitais que sustentam milhões de animais e plantas, as florestas também armazenam grandes quantidades de carbono. Além disso, elas apoiam os meios de subsistência, fornecem uma ampla gama de bens e serviços e ajudam a nos proteger de doenças.


A falácia do plantio de árvores


O florestamento (plantar novas árvores) e o reflorestamento (substituir árvores em áreas desmatadas ou recém-cortadas) têm sido amplamente apontados como estratégias essenciais para remover gases de efeito estufa da atmosfera, com grandes somas sendo investidas no plantio de árvores. A Comissão Europeia, por exemplo, planeja plantar 3 bilhões de árvores nos 27 Estados-Membros da UE até 2030.


No entanto, plantar árvores não é uma bala de prata contra o aquecimento global ou a perda de biodiversidade. De facto, os esquemas de plantio em massa de árvores podem parecer atraentes e ideais para campanhas de marketing, mas na verdade são caros, em grande parte irrelevantes para lidar com as emergências climáticas e ecológicas e podem, em algumas situações, ser contraproducentes. Também não substituem a regeneração de florestas naturais.



Árvores antigas armazenam enormes quantidades de carbono em sua madeira (florestas naturais de longa maturação acabarão armazenando cerca de 40 vezes mais carbono do que uma plantação colhida uma vez por década). Quando essas árvores morrem e se decompõem naturalmente, grande parte do carbono que elas contêm acaba no solo, onde continua armazenado por séculos ou milênios.


Além disso, as florestas naturais maduras são mais resistentes às mudanças climáticas e às doenças do que as plantações de árvores jovens, com a sua mistura diversificada de espécies nativas permitindo que elas se adaptem melhor a uma gama muito maior de condições. Eles também fornecem uma série de outros benefícios, como proteção contra inundações, prevenção de erosão, ar e água limpos, polinização e apoio ao turismo baseado na natureza.


E as florestas naturais são muito mais do que apenas conjuntos de árvores. Esses mosaicos complexos de árvores nativas, florestas, áreas abertas e outras vegetações hospedam teias complexas de organismos que incluem plantas, animais, fungos e bactérias, tornando-os incrivelmente biodiversos. Por outro lado, as plantações comerciais de árvores são tipicamente muito menos biodiversas, especialmente quando contêm apenas uma única espécie de árvore.


Extrato traduzido de https://rewildingeurope.com



34 views0 comments

Recent Posts

See All